O ex-guerrilheiro e atual líder do braço armado do PT, José Dirceu faz clara ameaça de morte à Antônio Palocci em entrevista



O ex-ministro José Dirceu fez um contraponto entre a sua situação e a do também ex-ministro Antonio Palocci, aponta a colunista Mônica Bergamo.

Segundo ele, é melhor morrer do que perder a dignidade e se tornar delator; Dirceu também afirmou que Palocci sempre batalhou pelos próprios interesses – e não por uma causa coletiva.

“Só luta por uma causa quem tem valor. Os que brigam por interesse têm preço. Não que não me custe dor, sofrimento, medo e às vezes pânico. Mas prefiro morrer que rastejar e perder a dignidade”, afirmou

O ex-ministro Antônio Palocci disse hoje (6) que a Odebrecht adquiriu um apartamento em São Bernardo do Campo para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um terreno para a construção do Instituto Lula, como compensação pelas vantagens que a empresa recebeu durante o governo do petista.

Ele depôs diante do juiz federal Sérgio Moro, em Curitiba, na condição de réu da ação penal da Opereção Lava Jato que apura estes fatos, apresentados em denúncia do Ministério Público Federal (MPF).

“Eu queria dizer, a princípio, que a denúncia procede. Os fatos narrados nela são verdadeiros. Eu diria apenas que os fatos narrados nessa denúncia dizem respeito a um capítulo de um livro ainda maior de um relacionamento da Odebrecht com o governo do ex-presidente Lula e da ex-presidente Dilma, que foi uma relação bastante intensa, bastante movida a vantagens dirigidas à empresa, a propinas pagas pela Odebrecht para agentes públicos em forma de doação de campanha, em forma de benefícios pessoais, em forma de caixa 1 e caixa 2”, disse Palocci ao iniciar o depoimento. “E eu tenho conhecimento porque participei de boa parte desses entendimentos na qualidade de ministro da Fazenda do presidente Lula e ministro da Casa Civil da presidente Dilma”.

O ex-ministro detalhou, ainda, como as diretorias da Petrobras foram divididas entre os três principais partidos que compunham o governo durante as administrações petistas. “Na Diretoria de Serviços, [ficou] o PT, na Diretoria Internacional, o PMDB, e na Diretoria de Abastecimento, o PP. Desenvolveu-se uma relação de intenso financiamento partidário de políticos, pessoas, empresas. Esse foi um ilícito crescente na Petrobras, até porque as obras cresceram muito e, com elas, os ilícitos”, disse.

Palocci também disse a Moro que conversava com Lula sobre essas relações. Ele narrou como foi questionado pelo ex-presidente em 2007 se estaria havendo “muita corrupção” nas diretorias de Serviços e de Abastecimento.

Segundo o ex-ministro, a Odebrecht repassou R$ 4 milhões em espécie ao Instituto Lula como propina. Palocci disse ainda que a empreiteira havia disponibilizado uma reserva de R$ 300 milhões em propina ao PT, e que o ex-presidente sabia se tratar de “dinheiro sujo”.

Antônio Palocci contou que havia uma desconfiança da Odebrecht quanto à eleição da ex-presidente Dilma Rousseff. Ele narrou uma reunião que teria ocorrido no dia 30 de dezembro de 2010 entre Lula e Emílio Odebrecht, dono da empreiteira.

“Nessa reunião, o presidente Lula leva Dilma, presidente eleita, para que ele diga a ela das relações que ele tinha com a Odebrecht e que ele queria que ela preservasse o conjunto daquelas relações em todos os seus aspectos, lícitos e ilícitos”, contou o ex-ministro. Ele disse que não estava na reunião, mas que ficou sabendo dela através de Lula.

Em seguida, Palocci disse que a Odebrecht foi beneficiada durante o governo Dilma em algumas situações. A pedido do juiz Sérgio Moro, o ex-ministro citou como exemplo que a empreiteira desejava assumir a administração de um aeroporto de grande porte e havia perdido as licitações para concessão dos aeroportos de Guarulhos, Campinas e Brasília.

Segundo ele, a licitação do aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, foi direcionada para que a empreiteira vencesse o certame. “Havia uma cláusula que impedia o vencedor da licitação de Cumbica de participar da licitação do Galeão em condições livres. Isso foi colocado por solicitação da Odebrecht”, contou.

Detido em Curitiba

O ex-ministro está detido na carceragem da Polícia Federal (PF) de Curitiba. Ele já foi condenado em outra ação penal da Lava Jato a 12 anos de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Neste processo, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que o Grupo Odebrecht comprou um terreno no valor de R$ 12,4 milhões para a construção do Instituto Lula — obra que não chegou a ser executada. Ainda segundo a denúncia, o ex-presidente também recebeu como vantagem indevida da empreiteira uma cobertura vizinha ao apartamento onde mora, em São Bernardo do Campo.

O depoimento do ex-presidente Lula nesta ação penal está marcado para o dia 13 de setembro.

Outro lado

O Instituto Lula, em sua página no Facebook, divulgou uma nota em que diz que o depoimento de Antonio Palloci é contraditória “ com outros depoimentos de testemunhas, réus, delatores da Odebrecht e provas e que só se compreende dentro da situação de um homem preso e condenado em outros processos” e que busca negociar com o MPF e com o juiz Sérgio Moro um acordo de delação premiada “que exige que se justifique acusações falsas e sem provas contra o ex-presidente Lula”.

“Palocci repete o papel de réu que não só desiste de se defender como, sem o compromisso de dizer a verdade, valida as acusações do Ministério Público para obter redução de pena e que no processo do tríplex foi de Léo Pinheiro”, diz a nota.

A nota também diz que a acusação do Ministério Público usa o argumento de que o terreno teria sido comprado com “com recursos desviados de contratos da Petrobrás” só para poder ser julgado dentro do âmbito da Operação Lava Jato pelo juiz Sérgio Moro e que “não há nada no processo ou no depoimento de Palocci que confirme isso”. Também cita que Palocci falou de uma série de reuniões onde “não estava e de outras onde não haveriam testemunhas de suas conversas. Todas falas sem provas.”

O Instituto Lula reafirma, na nota, que jamais solicitou ou recebeu qualquer terreno da Odebrecht e que nunca teve outra sede além daquela em que instituto funciona atualmente. Lula reafirmou que “jamais cometeu qualquer ilícito nem antes, nem durante, nem depois de exercer dois mandatos de presidente da República eleito pela população brasileira.”

“Todo o conteúdo das supostas conversas descritas pelo senhor Antonio Palocci com a participação da então ministra Dilma Rousseff –

e mesmo quando ela assumiu a Presidência – é uma ficção. Esta é uma estratégia adotada pelo delator em busca de benefícios da delação premiada”, diz a nota.

Sobre as regras para concessão de aeroportos no país, a nota esclarece que a decisão do governo Dilma de não permitir que um consórcio ou empresa ganhasse mais de um aeroporto foi criada para gerar concorrência entre as empresas concessionárias de aeroportos: “Buscou-se evitar que, caso uma empresa tivesse a concessão de dois aeroportos, priorizasse um em detrimento do outro. O governo Dilma buscava atrair mais empresas para participar do sistema aeroportuário, garantindo que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), como órgão regulador, tivesse mais parâmetros para atuar”.

Seja o primeiro a compartilhar com seus amigos!


Leia mais, clique em: PoliticaMente


:) Espalhe essa notícia!


:) Receba as novidades no Facebook!


:) Curtir o site!


Comente no final da postagem!

Últimas Notícias




Ormar Prado quase agride quando questionado se “ladrão” poderia disputar a eleição (Veja o Vídeo)
Coluna: PoliticaMente



SERÁ QUE É CÍNICO? FHC sai em defesa de Lula: “Tem partido, história e trajetória. Já Bolsonaro é um homem autoritário…. leia tudo
Coluna: PoliticaMente



Para justificar transmissão do julgamento de Lula, tribunal diz que caso é excepcional
Coluna: PoliticaMente



Começou a marmelada! STF analisa pedido de habeas corpus preventivo para Lula. Autor é morador do interior do Paraná
Coluna: PoliticaMente



Ministério Público vai pedir prisão imediata de Lula. Maurício Gerum, segundo o Estadão, vai mencionar todas as provas contra o petista.
Coluna: PoliticaMente



Sérgio Moro ‘enfrenta’ Gilmar Mendes e mostra ‘quem manda’. Juiz determinou transferência de Sérgio Cabral e contrariou decisões anteriores do STF.
Coluna: PoliticaMente



Nervoso, juiz Marcelo Bretas ‘parte pra cima’ de Lindbergh Farias. Juiz da Lava Jato se revoltou com a forma do senador incitar a violência e tomou uma decisão.
Coluna: PoliticaMente



RIO DE JANEIRO INFERNAL: Carro invade calçadão e a Praia de Copacabana, fera 16 pessoas e mata uma criança
Coluna: Policial



Presa por tráfico de drogas, jovem faz pose e ‘biquinho’ para foto na delegacia em MT
Coluna: Policial



RIO EM FESTA: Moro e juíza do Rio determinam transferência de Cabral para presídio no Paraná. Acabou o cinema, camarão, caviar e visitas dos amigos bandidos.
Coluna: PoliticaMente



Mesmo Com Dois Apartamentos No Leblon Filha De Fux(STF) Recebe Auxilio Moradia De R$ 4.300
Coluna: PoliticaMente



Advogado de Lula, que custa R$ 40 mil por hora, não poderá nem entrar na sala de audiências
Coluna: PoliticaMente



Bolsonaro é unanimidade e ganha apoio dos generais alto escalão do Exército
Coluna: PoliticaMente



AGORA; Vamos juntos até o final, doa a quem doer, Deltan Dallagnol
Coluna: PoliticaMente



Lula ataca juízes, mídia e diz que ‘Bolsonaro vai comer o pão que o diabo amassou’
Coluna: PoliticaMente



Jornalista Miriam Leitão: ”Lutei contra a ditadura, sim! Hoje eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz”
Coluna: PoliticaMente

Mais lidas hoje




7627 postagens


COMENTE SUA OPINIÃO