O homem que briga contra o Facebook. Empresário queria um ano sabático no Rio de Janeiro., conseguiu oito anos de guerra judicial contra uma das companhias mais influentes do mundo

Aos 22 anos, em 1997, o canadense Steven Vachani já havia criado duas empresas com valor de mercado superior a US$ 1,7 bilhão: a Frelotto.com, de marketing direto, e a Qool.com, que chegou a ser o terceiro maior site de leilões on-line do mundo. Com a quantia que arrecadou ao vender suas participações nas duas companhias, decidiu escapar do vaivém entre Vale do Silício, onde conduzia seus empreendimentos, e Nova York, onde mantinha contato com os investidores.

Antes de completar 30 anos, optou por um ano sabático. Escolheu uma mansão à beira-mar em São Conrado, bairro nobre do Rio de Janeiro, para conceber o que esperava que fosse uma “nova grande ideia”. O plano era ficar no Brasil até 2005. Ele havia visitado o país diversas vezes e ficara fascinado com a música popular, que descobriu durante os 14 anos em que tocou em bandas da juventude.

Na casa de dois andares, criou um ambiente de trabalho e começou a estudar português. Passou a testar protótipos de redes sociais e estreitou laços profissionais com programadores e aficionados de tecnologia. O projeto de retorno aos Estados Unidos ficou de lado quando ele decidiu se naturalizar brasileiro. “Acho que nasci no país errado.” Solteiro, apaixonado pela casa nova e organizando festas e jantares para mais de 100 pessoas, deu acabamento a seu projeto mais ambicioso.

Ao completar quatro anos de Brasil, criou a Power Ventures, dona do agregador de redes sociais Power. Com um único usuário era possível acessar LinkedIn, Twitter, Orkut, AOL, MySpace e Facebook (nasceram no mesmo período concorrentes como o HootSuite e o Seesmic). A facilidade de gerenciar várias contas numa página só rendeu ao Power 20 milhões de inscritos e um investimento de US$ 5 milhões. O negócio evoluiu bem até a virada para 2009, quando uma das futuras maiores companhias do mundo processou Vachani e sua empresa.

Com uma ação num tribunal da Califórnia, o Facebook alegou violação de direitos autorais (baseado na lei americana sobre fraudes e abusos por computador, a CFAA, contra hackers) e acusou Vachani de promover spam em seu nome (baseado na lei americana CAN-SPAM, contra marketing digital não solicitado).

Até aquele momento, a Power Ventures tentava se firmar como uma defensora da autonomia digital do usuário. Ela permitia melhor controle do rastro digital espalhado nas redes sociais. Simon Olson, que na época representava no Brasil o fundo de investimentos americano Draper Fisher Jurvetson, havia comandado o investimento na startup brasileira. O fundo era respeitado no mundo da tecnologia e apostara em iniciativas como Hotmail, Skype, SpaceX e Baidu. “Minhas reuniões de investimentos duravam cerca de 50 minutos. Com a equipe da Power fiquei oito horas. Era o sonho de qualquer investidor”, afirma Olson. Após a crise das hipotecas ruins nos Estados Unidos, cujos primeiros sinais apareceram em 2007, uma demonstração de interesse de um fundo tradicional americano era significativa.

Com sede na Barra da Tijuca e um escritório em Nova York, a Power chegou a empregar 150 funcionários. Esforçava-se por demonstrar personalidade não só na proposta do negócio: o escritório carioca oferecia ambiente descontraído “ao estilo Vale do Silício”, segundo Olson. Mas a ofensiva jurídica do Facebook gerou um desgaste progressivo. Ela se somou à crise global. “Cada centavo ganho era reinvestido. Mas, como hoje no Brasil, os mercados estavam parados”, diz Olson. A companhia faliu e demitiu os funcionários. Alguns seguiram no ramo da tecnologia, fundando empresas como o Peixe Urbano. A batalha judicial com a maior rede social do mundo, porém, continuou. E tem potencial para influenciar decisões futuras nos tribunais americanos.

O sistema concebido por Vachani permitia que o usuário autorizasse o acesso a sua conta do Facebook e transferisse seus dados para a Power. Uma acusação foi consequência de uma campanha promocional em que usuários da rede brasileira consentiam o envio de e-mails a seus contatos do Facebook, convidando-os a participar do novo site. A mensagem era transmitida pelo Facebook, o que deu margem para a acusação de envio de spam. Em julho deste ano, a advogada da Power reverteu a acusação. Convenceu o tribunal de que não se tratava de spam, porque o próprio usuário do Facebook precisava aprovar o envio da mensagem. “Sabe quando você configura seu Facebook para receber e-mails com notificações?”, diz a advogada Amy Anderson.

“Os usuários da Power criavam um evento para convidar seus amigos do Facebook e alguns deles recebiam o aviso por e-mail, que era gerado automaticamente pelo Facebook. A Power não tinha poder sobre aquilo.” Amy foi encontrada por Vachani a preços módicos em um site de freelancers em 2012. Ela derrotou a acusação contra spam, mas foi derrotada na que acusa a Power de hackear. Em 2008, após os e-mails promocionais, o Facebook enviou uma carta à Power solicitando a interrupção do uso dos dados de seus usuários. A decisão favorável ao Facebook afirma que a carta foi ignorada. A versão de Vachani é mais complexa.

Ele alega que, ao receber a carta, iniciou um diálogo com o Facebook e passou a trabalhar numa nova versão, que não ficou pronta no prazo. O Facebook, então, bloqueou o IP (sigla de Internet Protocol, o “endereço” de um computador na internet. Normalmente, uma empresa usa um único IP) da Power, a fim de interromper o acesso a sua rede. A empresa de Vachani alterou seu IP e seguiu adiante. Essa atitude, na visão do tribunal, configurou hacking. A companhia brasileira contestou a decisão. “Se não for resolvido na próxima instância, iremos à Suprema Corte dos Estados Unidos. Seremos a primeira empresa brasileira a lutar por direitos digitais globais”, diz o presidente da Power.

A intensidade da batalha judicial chamou a atenção de Orin Kerr, advogado especialista em crimes cibernéticos e professor de Direito na Universidade George Washington. Ele se uniu à causa da Power como conselheiro, sem cobrar, e refuta a decisão favorável ao Facebook. Para Kerr, um usuário não recebe nenhum tipo de aviso quando seu IP é bloqueado, o que minimiza a gravidade do ato da Power de adotar outro IP. “(Segundo a decisão judicial) Cada contato com um computador cujo dono não o permite significaria um ‘acesso sem autorização’”, escreveu o professor no jornal The Washington Post em julho. Ou seja: a interpretação facilitaria demais a acusação de hacking contra qualquer usuário da internet. A opinião de Kerr é endossada por ONGs como a Fundação Fronteira Eletrônica (EFF), que luta pela proteção de direitos fundamentais na tecnologia, e a União Americana pelas Liberdades Civis (Aclu), defensora de direitos e liberdades individuais nos Estados Unidos. “A interpretação do Facebook é perigosa para os inovadores que virão e para os consumidores, ao criminalizar amplamente comportamentos já aceitos na internet”, afirma a EFF.

A briga tem de ser vista sob o ângulo de dez anos atrás, quando o Facebook ainda não era uma potência com receita anual de quase US$ 30 bilhões e os dados pessoais ainda não valiam como moeda para as redes sociais. Hoje, é mais compreensível a atitude da companhia de Mark Zuckerberg de impedir que outra seduza seu usuário (e, com ele, seus cliques em anúncios). Mas permanece o confronto entre os que defendem mais escolhas para o usuário e os que defendem empresas já estabelecidas contra o que classificam como concorrência predatória de novatos. “O caso exemplifica o poder que o Facebook tem em controlar a experiência do usuário”, diz James Grimmelmann, professor de Direito na Cornell Tech, em Nova York.

>> Como o Facebook decide o que você vê e o que você não vê na sua linha do tempo

Vachani, até hoje, não gastou um centavo com um advogado pessoal. Aos 41 anos, vive em São Conrado. Trocou a mansão por um dúplex confortável. Mora com a mulher, com quem tem um casal de gêmeos e que espera mais um bebê, e com a filha mais velha, de 6 anos, da época em que era solteiro. A mulher o define como “sempre de bem com a vida e otimista – até demais”. Ele afirma que seu novo projeto “definirá a próxima geração de telefônicas no Brasil e ao redor do mundo” – vai bem de saúde a grandiloquência característica de quem se criou tentando impressionar investidores no Vale do Silício. Quando está em casa, joga xadrez e aprende mandarim com a filha mais velha. “Trouxe uma professora da China que mora em nossa casa. Educação sempre foi a prioridade na minha família”, diz. O empresário afirma que insistirá no confronto com o Facebook e que não aceitaria uma solução negociada fora dos tribunais. Ele não guarda rancor: mantém conta no Facebook, segue Zuckerberg e tem 5 mil contatos na rede.

:) Espalhe nas suas redes



:) Essa notícia


:) Facebook


:) Curtir o site







Ministério Público quer que policiais paguem indenização a assaltantes presos


Vídeo em 360 graus mostra como vivem presos em uma cela superlotada


Agora pode gastar os bilhões que roubou: Andrea Neves já está em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica


Baiana que morreu em viagem de bicicleta para o Alasca será velada nesta quarta-feira


ANA CAROLINA CHAMA LETÍCIA LIMA DE NOIVA E COGITA FORMAR UMA FAMÍLIA A QUATRO


Roberto Jefferson dispara: ‘O presidente da CUT não trabalha. A presidente da UNE não estuda. O presidente do MST tem muitas terras. A presidente do PT não tem vergonha


O Brasil foi dividido entre cinco grandes quadrilhas nas últimas duas décadas. Partidos políticos, milícias, facções criminosas, empresários e


General promovido por Lula é testemunha do petista em processo da Lava Jato. Tem cabimento uma coisa dessas?


EDUCAÇÃO NOTA ZERO: Estudantes fazem churrasco em sala de aula: ‘Um dia normal’


FIM DA LINHA TEMER: PF recupera mensagens enviadas a Temer no celular de Rocha Loures


UM PERFEITO IDIOTA: não divulgamos aviso sobre gravidade da chuva para evitar pânico, diz secretário de Ordem Pública


Pânico: Piloto faz pouso forçado em meio a selva amazônica, veja vídeo


ESPALHA ISSO BRASIL, URGENTE: Sérgio Moro vai anunciar a condenação do ex-presidente LULA, confira os detalhes


Janaína Paschoal rebate e empareda Gilmar Mendes após ele criticar investigação de magistrados: ‘Ora, por que não pode? São deuses?


Exército abraça causa de Sérgio Moro e diz que guerra à corrupção é de todos


FINALMENTE: Advocacia-Geral da União solicita bloqueio imediato de bens da JBS para recuperar o prejuízo de cerca de R$850 milhões


Sérgio Moro vai bater o martelo, sentença de Lula deve ser pesada, veja aqui…


STF deve evitar a prisão de Lula, mesmo depois de condenado pelo juiz Sergio Moro e depois pelo TRF-4


Em relatório, PF vê elementos que provariam envolvimento de Pezão no esquema Cabral. Operador trocou mensagens com o governador


Gilmar Mendes elogia as Forças Armadas por não ‘causarem tumulto’ e ‘respeitarem as instituições’ diante da crise no país


Roger, do Ultraje a Rigor, publica foto de Lula e ironiza: ‘Nesta foto, Temer se fantasia de Lula para negociar com a Friboi’


Depois de dizer que o tríplex é da Caixa e ser desmentido, só falta Lula dizer que é do Temer’, alfineta Roberto Jefferson


Lula pede exoneração dos procuradores da Lava Jato


O desabafo de Maisa Silva, nova vítima da hipocrisia das redes. Atriz e apresentadora se tornou alvo da insanidade das redes sociais


O BRASIL PERDEU: Fachin retira de Sergio Moro três processos contra Lula


Golpe de caneta nocauteia Joesley e deixa Lula grogue


Rodrigo Hilbert vai depor sobre abate de ovelha em programa de TV


E agora Brasil? Partido de Bolsonaro não vai lançá-lo como candidato a presidente


Advogado de Lula apresenta estratégia para Moro envolvendo mulher de Cunha


Preocupado, Janot envia documento ao STF e fala em ‘golpe de morte’, criticou a possível revisão em acordo de delação.


Lutador famoso morre após nocaute ao vivo e vídeo choca o mundo


Eles decidiram escolher este cão do abrigo. O motivo me deixou com lágrimas nos olhos


Amigas de Eliana contam verdade sobre sua filhinha e vídeo é comovente


Filha de Palocci se compromete com a Lava Jato após manifestação de procurador


ISSO É BRASIL: Virgínia Souza, “Doutora Morte”, é inocentada e ainda ganha indenização

bt_leiamais1
Tudo sobre política, clique aqui
bt_leiamais1
5059 postagens


bt_leiamais1
5059 postagens






1 Comentário

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.


*